Topo

Exame


# A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Todos

  • D-DÍMERO

    Preparatório:

    Sempre que possível, mínimo de 04 horas de jejum


    Interpretação:

     Teste de triagem para trombose venosa profunda; avaliação de infarto agudo do miocárdio, angina instável, coagulação intravascular disseminada. O dímero D é um fragmento resultante da degradação da fibrina polimerizada especificamente. Após a coagulação haver iniciado, a trombina cliva o fibrinogênio, gerando monômeros de fibrina que se polimerizam, formando um coágulo. Existem outros fragmentos derivados da fibrina monomerizada, mas o dímero D é específico para a fibrina degradada após a polimerização, o que qualifica seu uso como marcador de fibrinólise de coágulo. É crescente a associação entre os níveis de dímero D e a presença e a severidade de doenças trombóticas. Contudo, sua interpretação deve levar em conta alguns pontos, a seguir. A vida média do dímero D é de aproximadamente 6 horas em indivíduos com função renal normal. Assim, pacientes com coágulos estáveis com esporádicas degradações podem resultar em valores normais. Quanto maior o coágulo, maior será o nível de dímero D circulante. Assim, coágulos muito pequenos, embora potencialmente danosos à saúde podem resultar valores normais. A presença de dímero D pressupõe processo de fibrinólise normal. Valores aumentados: deposições de fibrina em localizações extravasculares, condições associadas à presença de coágulos de fibrina intravasculares, coagulação intravascular disseminada(CIVD) aguda ou crônica, infarto agudo do miocardio e angina instável. Hematomas Na suspeita clínica de embolia pulmonar , resultados normais excluem esta possibilidade diagnóstica ( teste de triagem )

  • DEHIDROEPIANDROSTERONA - DHEA

    Preparatório:

    Jejum obrigatório de no mínimo 4h.


    Interpretação:

    Marcador da produção adrenal de andrógenos; avaliação da reserva adrenal após estímulo com ACTH. A dehidroepiandrosterona é sintetizada pelo córtex da adrenal, sendo seu principal andrógeno. Apresenta meia vida plasmática curta e é usualmente convertida em DHEA-sulfato. Sua produção excessiva pode estar associada a quadros de virilização com acne, hirsutismo, e conversão à testosterona. Valores aumentados: presença de tumores adrenais, síndrome de Cushing, hiperplasia adrenal congênita e adrenarca prematura. Valores diminuídos: doença de Addison, anorexia nervosa.

  • DENGUE - Anticorpos IgG

    Preparatório:

    Jejum recomendado, mas não obrigatório.


    Interpretação:

    Sintomas: febre, dor de cabeça, dores musculares (em juntas e periorbitais) e rash cutâneo. Em circunstâncias especiais, o quadro pode ser hemorrágico. Pode ser causada por contato com um dos quatro sorotipos do vírus da dengue: DEN-1, DEN-2, DEN3 e DEN-4, molecularmente relacionados e pertencentes ao gênero Flavivirus, família Flaviviridae (sendo, portanto, aparentada com os vírus de encefalite viral e febre amarela). Transmissão: pelos mosquitos do gênero Aedes (em especial, o Aedes aegypti). Período de Incubação: depois da picada de um mosquito infectado, ocorre um período de incubação de 2 - 9 dias, quando aparecem os sintomas. Anticorpos IgM: são encontrados em cerca de 80% dos pacientes no quinto dia e cerca de 99% dos pacientes no décimo dia após o contato com o vírus e pode persistir na circulação por até três meses. Anticorpos IgG: específicos tornam-se detectáveis dias após o aparecimento do IgM. Seus níveis se elevam até um e geralmente continuam detectáveis pelo resto da vida. Resulados falsos: uso de drogas imunossupressoras(gerando resultados falso-negativos), reação cruzada com outros Flavivirus (gerando resultados falso-positivos).

  • DENGUE - Anticorpos IgM

    Preparatório:

     

    Jejum recomendado, mas não obrigatório.


    Interpretação:

    Sintomas: febre, dor de cabeça, dores musculares (em juntas e periorbitais) e rash cutâneo. Em circunstâncias especiais, o quadro pode ser hemorrágico. Pode ser causada por contato com um dos quatro sorotipos do vírus da dengue: DEN-1, DEN-2, DEN3 e DEN-4, molecularmente relacionados e pertencentes ao gênero Flavivirus, família Flaviviridae (sendo, portanto, aparentada com os vírus de encefalite viral e febre amarela). Transmissão: pelos mosquitos do gênero Aedes (em especial, o Aedes aegypti). Período de Incubação: depois da picada de um mosquito infectado, ocorre um período de incubação de 2 - 9 dias, quando aparecem os sintomas. Anticorpos IgM: são encontrados em cerca de 80% dos pacientes no quinto dia e cerca de 99% dos pacientes no décimo dia após o contato com o vírus e pode persistir na circulação por até três meses. Anticorpos IgG: específicos tornam-se detectáveis dias após o aparecimento do IgM. Seus níveis se elevam até um e geralmente continuam detectáveis pelo resto da vida. Resulados falsos: uso de drogas imunossupressoras(gerando resultados falso-negativos), reação cruzada com outros Flavivirus (gerando resultados falso-positivos).

  • DIGOXINA

    Preparatório:

     

    Recomenda-se coletar o sangue 6 horas após a administração do medicamento.


    Interpretação:

    Avaliação de dose terapêutica e toxicidade da digoxina. A digoxina é um glicosídeo cardíaco utilizado no tratamento de insuficiência cardíaca congestiva, e funciona pela inibição de uma ATPase. Isto causa diminuição no potássio intracelular e aumento de cálcio intracelular nos miócitos. A presença aumentada de cálcio melhora o processo de contratilidade cardíaca (efeito inotrópico). Valores mais elevados diminuem a taxa de depolarização ventricular, o que pode ser útil no controle de taquicardias, porém, com um certo risco, visto que as dosagens necessárias para este efeito são coincidentes com as dosagens tóxicas. A toxicidade da digoxina afeta muitos órgãos e células, comumente culminando com náuseas, vômitos e problemas visuais, além de efeitos cardíacos como contrações ventriculares e bloqueio atrioventricular. A absorção oral da digoxina é variável e influenciada por vários fatores. Na circulação, cerca de 25% é ligado a proteínas. A forma livre é seqüestrada pelas células. Em equilíbrio, a concentração tecidual é cerca de 20-30 vezes maior do que a plasmática. Sua eliminação ocorre principalmente por filtração renal da forma plasmática livre, sendo o restante metabolizado pelo fígado, resultando todo o processo em uma meia vida de cerca de 38 horas. O maior contribuinte para esta relativamente alta meia vida é a pequena taxa de liberação de digoxina tecidual ao plasma. Devido às condições variáveis e individuais de absorção da digoxina, o estabelecimento de dosagem necessita de um controle inicial para acerto de dose para valores efetivos e não-tóxicos. Este acerto deve ser realizado também em doentes com insuficiência renal crônica, onde as taxas de filtração glomerular variam com o tempo. Outros fatores como a concentração de potássio e magnésio e também o estado tireóideo do paciente podem interferir na efetividade do agente. O tempo da tomada de amostras é essencial na análise da digoxina, devendo ser mantido para um dado paciente. Os picos séricos ocorrem em cerca de duas horas após a ingestão do medicamento, mas estima-se que amostras de 6-8 horas após a ingestão possam ser mais confiáveis pelo equilíbrio entre o tecido e o plasma. Alguns pacientes podem apresentar substâncias não-digoxina (que reajam com os anticorpos utilizados em sua dosagem): geralmente gestantes, pacientes com insuficiência hepática e renal, hipertensão hiporeninêmica e outros estados com retenção de sal e fluido, além de neonatos. Resultados inesperadamente reduzidos podem estar associados a distúrbios tireóideos, malabsorção, aterosclerose mesentérica, além de interação com metoclopramida, colestiramina, neomicina e sulfasalazina. É possível o encontro de pacientes com resistência aos digitálicos, que requerem dosagens maiores do que as usuais, objetivando faixas séricas maiores.

  • DIHIDROTESTOSTERONA - DHT

    Preparatório:

    Jejum obrigatório de no mínimo 4 horas.


    Interpretação:

    A DHT é amplamente derivada da conversão tecidual periférica da testosterona (catalisada pela enzima esteróide 5 - alfa - redutase) sendo, portanto, o metabólito primário ativo da testosterona que é responsável pelo crescimento capilar. Valores aumentados: hirsutismo. Valores diminuídos: deficiência de 5 - alfa-redutase, hipogonadismo.

  • DNA TESTE DE PATERNIDADE

    Preparatório:

    Teste de Paternidade e Maternidade

     

    Duvidas frequentes:

    1) Quais documentos são necessários para a realização do exame?

     

    Para a coleta dos exames, é imprescindível a apresentação dos seguintes documentos:

     

    - TRIO: RG da mãe, RG do suposto pai, Certidão de Nascimento

     

    - DUO: RG do suposto pai, RG ou Certidão de Nascimento do filho(a).

    *Nota: Para a realização do DUO, a criança deve ser registrada em nome do suposto pai ou deverá apresentar uma autorização da mãe para a realização do exame

     

     

     

    2) Necessito de uma autorização judicial para a realização do exame?

     

    Não. O exame pode ser realizado através da solicitação das partes envolvidas com apresentação de documentos de identificação e assinatura de um termo de consentimento.

     

     

    3) Posso fazer o exame sem que a mãe saiba? 

     

    A legislação permite a realização desde que o filho(a) esteja registrado em nome do requerente, porém, a mãe terá todo o direto de contestar o resultado emitido no laudo por não ter participado do processo. 

     

     

    4) A criança precisa ter uma idade mínima para se submeter ao teste?

     

    Não, crianças de qualquer idade podem realizar o teste, inclusive recém nascidos.

     

    5) É possível realizar o teste se a mãe estiver morta ou ausente?

     

    Sim. O teste também pode ser feito na ausência da mãe, com o DNA do filho e suposto pai. Caso o filho seja menor de idade é necessário a autorização do pai de registro ou responsável legal. 

     

    6) Existem fatores que possam influenciar no resultado do exame?

     

    Sim. Pacientes que tenham realizado transplante de medula e que tenham sofrido transfusões sanguíneas nos últimos seis meses.

    Para pacientes que tenham realizado transplante de medula a coleta deve ser feita em saliva ou em outros fluidos que não seja sangue.

     

    7) Qual o prazo para o recebimento do laudo?

     

    Após a realização da coleta, o resultado será a partir de 15 dias. 

    (Existe a possibilidade do recebimento em 3 dias uteis ou  6 dias uteis, para esse processo deve-se pagar uma taxa diferenciada).

     

     

     


    Interpretação:

    Esse exame deve ser agendado e todos os documentos devem ser entregues 48 horas antes da coleta.

     

     

    Duvidas (24) 98865-0754 Seg a sexta 7h as 17h Assessoria Cientifica

     

     

     

     

     

Em caso de dúvidas


Desejando mais informações entre em contato com nosso atendimento:

CENTRAL DE ATENDIMENTO

Telefone / Fax:
(24) 2221 2370
R. Rodolfo Figueira de
Mello, 17
CEP 25720-340
Corrêas - Petrópolis/RJ

Horário: 2ª a 6ª feiras,
das 06:30h às 17:00h
Sábado de 07:00h às 12:00h

Assessoria Cientifica
(24) 98865-0754
2ª a 6ª das 06:30h às 17:00h
Sábado das 07:00h às 12:00h

© 2015. Todos os Direitos Reservados - Laboratório de Corrêas - (24) 2221 2370 - laboratorio@laboratoriodecorreas.com.br - CRÉDITOS
Assessoria Cientifica: (24) 98865-0754 - Segunda a Sexta das 06:30h às 17:00h - Sábado das 07:00h às 12:00h